Arquivo da categoria: Notícias

Este Natal, que tal oferecer “Bom Tempo no Canal”?

A equipa da Estação de Correios Vasco da Gama, em Ponta Delgada, está a desenvolver uma acção de divulgação, em conjunto com o autor Almeida Maia, para promover a obra Bom Tempo no Canal – A Conspiração da Energia. A iniciativa vem na sequência da estratégia de proximidade com o Cliente, dinamização dos seus espaços, e assim promover o que de melhor acontece em redor.

Estação de Correios Vasco da Gama, Ponta Delgada

Recorde-se que esta obra, editada pelo grupo Publiçor/Letras Lavadas e galardoada com o Prémio Literário Ilhas em Movimento 2010, está disponível para venda em 29 Estações dos CTT espalhadas pelas 9 ilhas dos Açores. O objectivo da acção é permitir ao leitor adquirir um exemplar personalizado com ou sem dedicatória do autor, independentemente de onde se encontre. Quer o cliente procure a aquisição para si próprio ou para oferta, do Corvo a Santa Maria, basta dirigir-se a uma estação dos Correios e reservar quantos  exemplares desejar desta história de ficção. O autor irá personalizar e assinar publicamente cada exemplar no dia 14 de Dezembro a partir das 16h, ficando também disponível para interagir com os leitores na estação Vasco da Gama, em Ponta Delgada, mesmo que já tenham adquirido a obra anteriormente.

Bom Tempo no Canal – A Conspiração da Energia, é uma obra de ficção cujo enredo se passa nas nove ilhas açorianas. A história tem início num hipotético futuro, em que a exploração da energia geotérmica está a dar os primeiros passos nas encostas da ilha do Pico. John Mello lidera o projecto revolucionário que se vê ameaçado ainda antes do seu arranque por uma explosão aparatosa. A partir desse momento, percorre sendas tortuosas e descobre alguns segredos acerca das ilhas enquanto tenta desvendar quem se esconde atrás da máscara.

Este enredo literário tem recebido boa crítica. Alguns dos adjectivos mais comuns usados nos comentários à obra descrevem o estilo como “cinematográfico” e “empolgante”.

Bom Tempo no Canal em Londres

Setembro de 2012: a “Conspiração da Energia” acercou-se das terras de Sua Majestade, e o canal do Rio Tamisa deixou-se sulcar pelo bom tempo. Romperam-se prenoções, quebraram-se fronteiras, traçaram-se novos objectivos e (re)definiram-se metas – daquelas realistas. Impulsionou-se o gosto pela literatura do Atlântico Norte junto das comunidades lusitanas, naquele que foi o primeiro esforço fora do arquipélago na promoção desta obra de ficção.

Sendo o destino a metrópole britânica com quase catorze milhões de almas – mais do que toda a multidão que o país à beira-mar plantado alberga –, as expectativas foram propositadamente alinhadas com o quase nulo. Numa nação em que a cultura é uma prioridade, em que os livros não estão sequer sujeitos ao guilhotinamento de certas taxas – cujo único valor que acrescentam é mesmo o valor acrescentado –, deslocar debaixo do braço meia dúzia de exemplares de uma obra literária portuguesa e fazê-la chegar a pessoas de boas causas pode até parecer tarefa simples, mas acarreta também dissabores e barreiras. Num país em que um volume custa quase metade do que nos é habitual, e em que se cruzam criaturas a ler Erika L. James nos autocarros e J.K. Rowling no tube, passar-lhes uma publicação localmente galardoada e traduzir-lhes a sinopse em dois minutos, podia perfeitamente ser um desastre com hora marcada. Podia até vir a ser anunciado na Torre do Relógio – a partir de agora, Elizabeth Tower –, e badalado pelo sino de treze toneladas de alcunha Big Ben.

Mas não foi assim. Todas as barreiras foram transpostas. Como sempre, o que interessa não são as instituições, as empresas, as lojas, as bibliotecas ou mesmo as nações. São as pessoas.

Mesmo sendo apenas mais um, num mundo de mais de oitenta mil visitantes que passam diariamente por Londres – fazendo da capital do Reino Unido a mais visitada do planeta, com uma população flutuante de trinta milhões por ano –, tudo se proporcionou. Talvez os exemplares simbolicamente deixados nas bibliotecas, nas livrarias e com certas individualidades não signifiquem mais que isso mesmo, ou talvez até venham a provar o contrário, quem sabe? Mas, a imprensa lusa acompanhou, esteve atenta, fez perguntas, aconselhou, deu destaque, reportou…. Tudo apontou na direcção certa. De um ilhéu para uma ilha maior, passou uma energia diferente, renovada e confiante. Com agrado, as vozes portuguesas fizeram-se ouvir e, com alento, a obra de ficção insular passou a um outro patamar.

Pois bem. Então, a mais bela notícia, e talvez a melhor singularidade, esteja ligada a mais uma barreira que vai agora ruir, entre tantas outras que se têm desintegrado nos últimos tempos – por vezes indetectáveis aos olhos do menos atento. Se os ventos londrinos soprarem na direcção certa, se o bom tempo deixar enxergar algo mais avante, teremos o início de mais um desafio. Um propósito que não teria chegado a ver a luz do dia quando as primeiras palavras do Bom Tempo no Canal estavam a ser passadas para o papel: a sua tradução. Sim, o manuscrito na língua de Camões vai ser traduzido para a de Shakespeare.

E ao mesmo tempo que por aqui se esmiúça toda a arqueologia do segundo livro – que fará a sequela deste primeiro –, ver o bom tempo transformar-se em algo tangível ao globo inteiro, assistir à passagem desta ficção açórica para o inglês nos próximos meses, poderá ser o começo de algo novo, verdadeiramente engrandecedor. Algo que só pode ser reconhecido com um sincero OBRIGADO aos leitores, retribuindo com um verdadeiro abraço de agradecimento pelo carinho que tem chegado ao lado de cá.

O berço

É com enorme contentamento que a minha mente debita estas palavras tão singelas através das minhas falanges. O berço desta publicação virtual está mesmo aqui. Quem de vós espera algo de mim, não deve esperar senão a sinceridade e a transparência nas minhas palavras. De tão eloquentes que possam parecer, não mostram mais do que uma lufada de ar quente na minha face, mostram tudo e não mostram nada.

A escrita despertou quando a alma acordou. No momento taciturno em que se procuram respostas a perguntas triviais, o ser encontra nas artes uma forma de expressão e uma saída para o que julga ser um labirinto: a vida. Mas não deixa de esbarrar contra becos e outros entroncamentos. Qualquer que seja o caminho, o certo ou o errado — venha dizer-me quem sabe discernir —, o que interessa é a jornada, são as passadas que o nosso corpo dá no chão movediço. São esses passos que nos levam onde queremos e onde não queremos, dependendo de como estamos, dependendo de como nos deixam estar e ser. Ou não. Em lances de força, somos nós que decidimos? Assim acredito. E é nesses momentos que sabemos que somos donos de nós próprios, nunca do destino, mas de nós próprios. Sendo a ferida impossível de evitar, ao menos possamos saber tratá-la.

O leitor tem aqui um espaço onde pode divagar — comigo ou sem-migo —, onde conhecerá mais algumas páginas do que escrevo e do que vos dedico. Tal como para um músico, que encontra o deleite nos aplausos, espero suscitar-vos sensações através das palavras e receber de volta na forma de emoções, sorrisos e lágrimas; ouvir os aplausos através dos vossos testemunhos.

Um abraço,
Pedro Almeida Maia