Capítulo 41

Miguel Real na apresentação de Capítulo 41, na FNAC Colombo, em Lisboa (2013)

Sinopse

Ler Açores_peq

O professor universitário Paolo Benevoli, que lidera uma secreta investigação da localização da Atlântida, é assassinado, tal como o seu assistente, logo após ser encontrada uma lápide com uma mensagem extremista no átrio do Palácio de Sant’Ana. A seita Free the Landscape of Atlantis ameaça pôr a descoberto achados arqueológicos chocantes que podem obrigar a reescrever toda a História.

C41_CAPA 03Ed Medium

Será que outros povos já conheciam os Açores antes da chegada dos navegadores portugueses? Poderão ter deixado provas da sua passagem? As nove ilhas de bruma podem ser o que resta da Atlântida perdida? Que segredos esconderá o fundo oceânico do Atlântico?

O alarme dispara! Movimentam-se autoridades políticas, civis, policiais e militares; accionam-se meios terrestres, marítimos e aéreos; Judiciária, GNR e Interpol unem forças; snipers assumem posições, tropas apertam o cerco; jornalistas ligam as câmaras, testam os microfones… e o mundo sustém a respiração para assistir a um tumulto nunca antes visto nas pacatas ilhas.

Nesta história surpreendente do autor galardoado de Bom Tempo no Canal: A Conspiração da Energia, desfilam descobertas arqueológicas recentes que reacendem a polémica da passagem de outros navegadores pelos Açores antes dos portugueses e temas controversos que lançam o debate à ribalta.



Ficha técnica

Título: Capítulo 41
Subtítulo: A Redescoberta da Atlântida
Design da capa: Miguel Maia
Arte final: Sandra Fagundo
Foto da capa: Tiago Maia
Modelo da capa: Catarina Pires
Foto da badana: André Furtado
Distinções: Plano Regional de Leitura

  • 1.ª edição: setembro de 2013
    ISBN: 978-989-735-029-0
  • 2.ª edição: fevereiro de 2016
    ISBN: 978-1-5229-7226-6
  • 3.ª edição: dezembro de 2018
    ISBN: 978-989-735-194-5
    Ver na Goodreads
Comprar: Letras Lavadas 

Recensão crítica

“Relativamente a Almeida Maia, ele tem a capacidade de, no urdir do enredo, associar um saudável regionalismo a um assumido universalismo, fugindo de lugares comuns, sem nunca abandonar a matriz insular que enforma a sua escrita.”
~ Santos Narciso, Diário dos Açores

“Pedro Almeida Maia, o escritor, é uma voz viva, enérgica, que manobra, com mestria, a imaginação de quem o lê. Pedro Almeida Maia, o homem, tem o sorriso solto de quem se dá e entrega, com afinco, ao que gosta de fazer – escrever, comunicar, criar mundos que nos abrem, a nós, outras visões do mundo e formas diferentes de sonhar.”
~ Sónia Alcaso

“É assim o livro açoriano do açoriano Almeida Maia. Capítulos curtos, ritmo veloz, umas tantas personagens a avançar em muitas frentes com História e lendas, mensagens misteriosas, sudokus, segredos, descobertas e Descobrimentos, elementos que, como num puzzle, têm que ser encaixados uns nos outros. Terroristas, assassinos e polícias, historiadores, mulheres sedutoras, personagens dúbias e as ilhas em fundo… e no meio e ao lado, todo este livro transpira Açores – e são lindos!”
~ Carla M. Soares

“Pensem em todos os filmes de aventuras que já viram, todas as séries policiais que acompanharam, todas as bandas desenhadas míticas que leram, e imaginem tudo isso passado em nove ilhas paradisíacas a meio caminho entre a Europa e a América.”
~ Ana Saragoça

“O Capítulo 41 – A Redescoberta da Atlântida de Pedro Almeida Maia trouxe-me a melancolia dessas leituras longínquas, desgarradas e anárquicas, sempre sôfregas. É bom saber que os lugares imaginários nunca morrem em nós e que se (re)visitam com a facilidade de um salto mental.”
~ Cristina Drios

“O livro é um policial, se eu fosse italiana diria tratar-se de un libro giallo (um livro amarelo, ficaram curiosos?) e, porque é um policial, não vou ser desmancha-prazeres (sou exímia a guardar segredos) e não vou falar da intriga, da acção, do enredo, da história, da estória (…), do estilo veloz da narrativa que imprime velocidade à leitura, o suspense bem doseado, dos diálogos, do ambiente de conspiração, da cadência da acção, da sequência de imagens e dos planos bem gizados, tanto que dizê-lo cinematográfico lhe assenta bem, eu fiz o filme.”
~ Raquel Serejo Martins

“A viagem que fiz com o livro do Pedro Almeida Maia entusiasmou-me e atiçou-me as saudades dos cenários extraordinários onde se desenrola a aventura do Capítulo 41. Já há uns anos que não vou àquela “Atlântida”, quase a meio caminho entre dois continentes.”
~ Paulo M. Morais

Capítulo 41 – A Redescoberta da Atlântida levou-me numa viagem alucinante e vertiginosa pelas paisagens açorianas, sempre num ritmo entusiasmante de ação e apresentação de fatos surpreendentes. Um livro que levanta questões fascinantes sobre os Açores, numa visão fresca e inovadora daquele arquipélago, num estilo de escrita empolgante e cativante. Recomendo vivamente!”
~ Hélder Medeiros

“O livro de Pedro Almeida Maia Capítulo 41 prende-nos à sequência estonteante de aventuras que perseguem os diferentes protagonistas. Para além de não sabermos sequer o significado do título até muito perto do final, nada é bem o que parece. A página seguinte dá sempre uma reviravolta, com novos motivos e adensando o enredo. Passando-se tudo isto na Atlân… nos Açores! e em cenários que bem conhecemos. Ler este livro é instrutivo e é um tempo bem passado. Mais do que uma história policial, é um ponto de partida para a História!”
~ Frederico Cardigos

“Este Capítulo 41, em conjunto com o Bom Tempo no Canal, já que os dois são indissociáveis no estilo, nos personagens e nos ambientes, fica a constituir um marco na literatura de ficção dos Açores. (…) Tem todos os ingredientes para a sua universalização e é a prova provada de que, com qualidade e criatividade, os acontecimentos, ao pé da porta, no mais puro regionalismo, podem alcançar a mais ampla projecção, sem tempo nem lugar. É aquilo que eu classifico de regionalismo universalizante. (…) Se a Geotermia é o futuro de energia com a força que o passado acumulou no centro da Terra, a redescoberta da Atlântida é a força do passado nas lendas e narrativas que pode mudar o curso e a leitura da História dos Açores tal como a conhecemos hoje.”
~ Santos Narciso, Correio dos Açores