O filho da Rocha da Relva

Abro a capa cartonada, com o perfil escurecido de um homem iluminado. Revela-se a foto de um lençol de rocha rolada, mar até se perder de vista, e ele de chapéu de palha. Desdobro outra vez e recebo dois presentes: um livro com letras, poemas e um disco compacto esbranquiçado. O tempo do vinyl já se foi, mas não me apetece desfrutar de uma obra-prima destas num vulgarizado leitor digital. Ligo a estereofonia, abro o tabuleiro e pouso a rodela de acrílico inventada em 1979. Fecho a bandeja, aumento o volume, agarro o pequeno livro e recosto-me. Andava ansioso, à espera deste momento, mas “quem espera sempre alcança, foi sempre o que ouvi dizer”.

Já ouvira zunzuns, quando o mestre preparava o novo trabalho. Escutei uns acordes aqui e ali, mas nada como apreciar a magia das palavras do grandioso poet’autor no recolhimento usurpado à azáfama do dia-a-dia. Os sons voam dos altifalantes, numa mescla acústica que me desenfada. Aníbal Raposo prepara-se para cantar, enquanto os sons da Rocha da Relva convidam-me à viagem. Chamei-te Linda, Engraçada apresenta o solo alegre da guitarra de Eduardo Botelho, antecipado à percussão compassada de Paulo Rosa, ao violino mavioso de Lídia Medeiros, ao cavaquinho irrequieto de Pedro Alvim Pinheiro e ao baixo cadenciado de Williams Maninho Nascimento. A doçura da voz de Marta Pereira mistura-se com a do mestre, numa declaração amorosa às flores de um jardim, às rosas de um roseiral, que Aníbal junta ao mais puro desejo. Paulo Vicente acaricia o teclado gentilmente, antes de Mário Jorge Raposo encher Uma Estrela no Sul com solenes strings, e enquanto Williams vibra baixinho e Paulo Rosa afaga a bateria. O mestre declama: “Ai meu amor, escuta a minha voz. Pensando bem, quem está como nós?”. Sim, quem está como nós? “E era roxa a saudade”, “os olhos rasos em águas de recordações”.

A exímia Patrícia Perpétuo eterniza uma noite de lua cheia nas flautas de Fases da Lua, como se o seu sopro alimentasse as velas de um batel ao largo da Rocha da Relva, e onde Aníbal diz “quem diria lua cheia, que à tua luz fiz um filho”. E esse filho só pode ser a unicidade da sua música. Paulo Andrade repercute o andamento certeiro, Zica eleva o baixo a outro patamar e a guitarra solo de Eduardo Botelho embala. E embala com tal jeito que nos solta para a Dança com o sopro do trompete de Hugo Araújo. “Dança comigo amada, que eu já estou na escada que me leva ao céu”, acompanha a concertina atrevida de Paulo Pimentel e o cavaquinho afinado de Hélio David. Alfredo Molina dá os batuques com “leveza de pena” a par com Zica. E esta dança “solta-me a alegria de quem nada deve”.

Aníbal Raposo ordena “marrecos para a água” no engenhoso poema de Acorda Mulher, acompanhado pelo acordeão ritmado de Álvaro Melo e pelos repetentes Eduardo Botelho, Paulo Rosa e Zica. Nesta Maré Cheia, diferente da que nos brindou em ’99, há uma mensagem ao Sidónio e a pesca é uma sinfonia ao “som dos cagarros”, uma autêntica faina bafejada pelo “vento do sul”. Ernesto Sousa abraça apaixonadamente o acordeão e fá-lo respirar a aura de uma declaração de amor, uma “coisa bonita, cheirosa flor” que nos faz sorrir e elevar as sobrancelhas. A dupla Eduardo Botelho e Mário Jorge Raposo está de volta nesta Minha Metade, que só se completa com a grandiosidade do contra-baixo do grande Mike Ross, um “meu talismã”. Cara Perfeita é quase uma utopia do agreste, com solos de guitarra com sotaque, um baixo verdadeiramente brasiliense e percussões “à luz do luar” da bossa-nova. “Ninguém vai estragar a nossa alegria”, nascida da fotografia de Maria Helena de Sousa Ferreira.

Aníbal já deu a volta ao mundo e ao medo, tem paixão pela vida e deixa-se sonhar por esta terra e por este mar. A musicalidade de Já Dei a Volta enaltece “um mundo de emoção que me faz derreter o coração”, tal como faz a rouquidão dos fôlegos romanescos do sax de Carlos Mendes. Eduardo surpreende na Viola da Terra e Raúl Damásio alia-se na harmonia das vozes em Se És Bom Companheiro, enquanto Lídia Medeiros ajuda à serenata com os perfeitos violinos e Paulo Andrade retumba na percussão. Enquanto Raúl Resendes dá vida ao som dos remos “pelo mar fora”, André Jorge e Odilardo Rodrigues embalam a “lanchinha” deste final genial. De olhos cerrados, Rema guia-nos a alma “p’ró alto mar”, como só Aníbal sabe fazer. E depois brindou-nos, renovando a sua musicalidade, num concerto com os Connection, Mário George Cabral, Vânia Dilac, Paulo Bettencourt, António Feijó e Hélder Machado, com sonoridade renovada, mente aberta e espírito de navegador de mares desconhecidos!

Aníbal Raposo é um dos pilares da música popular e poesia deste século, não só dos Açores, mas do mundo. Cresci a ouvi-lo nos Rimanço, ao lado da geração mais inspiradora de sempre, a cantar temas como Nascer de Novo, No Vapor da Madrugada, Cantigas da Terra e até a Lira, que ainda faz bater os corações açorianos. E como é que um aprendiz fala do seu mestre? Dedicando-lhe uma vénia. Obrigado, Aníbal!

in Jornal Terra Nostra, 11 de Outubro de 2013
in Portuguese Times, 23 de Outubro de 2013

Anúncios

2 comentários a “O filho da Rocha da Relva”

Deixe o seu testemunho

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s