Da singularidade açoriana: 10 anos de livros

Da autoria de Susana L. M. Antunes, professora de língua, literatura e cultura lusófona na Universidade de Wisconsin-Milwaukee, nos Estados Unidos da América, foi publicado no Brasil o texto “Da singularidade açoriana: entrevista a Pedro Almeida Maia” na Scripta, Revista do Programa de Pós-gradução em Letras do Centro de Estudos Luso-afro-brasileiros da Pontifícia Universidade CatólicaContinue a ler “Da singularidade açoriana: 10 anos de livros”

A escrava

A Cultura Editora e o autor Pedro Almeida Maia têm o prazer de anunciar o lançamento do romance «A Escrava Açoriana». A história aborda o tema da escravatura branca açoriana nos finais do século XIX, incorporando relatos reais da época numa personagem feminina, Rosário, que abandona Ponta Delgada rumo ao Império do Brasil em buscaContinue a ler “A escrava”

Cadernos de Estudos Açorianos

Neste ano em que celebro uma década de publicações, recebi o simpático convite de Susana Antunes, da Universidade de Wisconsin-Milwaukee, para integrar o número 38 dos Cadernos de Estudos Açorianos, com edição de Chrys Chrystello (AICL). O documento completo pode ser consultado no site da AICL.

Juno e a ilha-Paraíso

Estalaram aplausos dentro do avião, felizes por terem tocado o solo contra a brisa generosa de Santa Cruz, muitos no alívio de terem chegado a casa. Também eu senti que chegava a casa e que receberia o calor da ilha-Paraíso. Apresentaram-me talentos oferecendo abraços sorridentes e partilha de saberes, e eu logo soube que seContinue a ler “Juno e a ilha-Paraíso”

O regresso da Atlântida

Decorria o mês de setembro de 2013, quando se anunciou a chegada do romance “Capítulo 41: A Redescoberta da Atlântida”. Pouco se sabia do eco que poderia provocar, mas cinco anos após o seu lançamento e consequente entrada para o Plano Regional de Leitura dos Açores, percebe-se agora que é algo mais do que umContinue a ler “O regresso da Atlântida”

É poesia

Comemora-se o regresso à poesia do autor Almeida Maia com a edição de “A Escalada de um Manco”. Ao longo de onze cantos, o autor figura a persistência humana perante o erro e a adversidade. O novo texto está disponível aqui. As edições e-manuscrito® resultam da iniciativa conjunta da APE (Associação Portuguesa de Escritores) eContinue a ler “É poesia”

Dia do Autor Português

Dizem que se comemora quando as datas chegam. Feliz e sincero, com as dores da distância a apertar o coração, desejo-me na pele dos protagonistas de Nove Estações. “Deixaram-se enamorar pelas ruas de Angra, as artérias palpitantes de vida e de amor. Cruzaram a Rua da Sé e vi­raram na Carreira dos Cavalos até àContinue a ler “Dia do Autor Português”

Tripla reedição

Após um ano de muitas mudanças e de difíceis batalhas, anuncia-se a tripla reedição dos primeiros trabalhos para o mercado internacional, além de um novo romance ainda neste ano de 2016. Após um revés editorial que levou as obras “Bom Tempo no Canal”, “Capítulo 41” e “Nove Estações” a esgotarem na origem, a aposta é nos mercadosContinue a ler “Tripla reedição”

Surfar na biblioteca

No passado dia 13, tive o prazer de comunicar com alunos da Escola Secundária Jerónimo Emiliano de Andrade. A distância que separa Coimbra de Angra do Heroísmo pareceu desaparecer durante a videoconferência que pretendia abordar a experiência da escrita nos tempos de hoje. A iniciativa “Aproveita a onda das TIC e vem surfar na Biblioteca”,Continue a ler “Surfar na biblioteca”

Encontro de Escritores “Pedras Negras”

Que o Azores Fringe Festival coloca os Açores no mapa-múndi das artes, já todos sabem. O que alguns desconhecem é a energia que emana das partilhas que este acontecimento internacional proporciona. Com o epicentro na ilha do Pico, e réplicas por outras ilhas açorianas, os eventos diários transformam o mês de junho num bouquet artísticoContinue a ler “Encontro de Escritores “Pedras Negras””

Regresso às origens

Foi no dia doze deste segundo mês que concretizei um sonho antigo. Partilhei a minha experiência na literatura e apresentei os meus livros aos alunos de uma das escolas que me viu crescer. Foi na Biblioteca Emanuel Jorge Botelho da Escola Canto da Maia. É difícil resumir a emoção e o simbolismo do momento, nãoContinue a ler “Regresso às origens”

Novas aventuras

Foi no ambiente académico que surgiram os primeiros contactos acerca do Necas, por parte das professoras Dr.ª Célia Barreto Carvalho e Dr.ª Suzana Nunes Caldeira. Aceitei sem qualquer tipo de hesitação. Mas não me vou desligar da prosa, podem ficar descansados os leitores mais graúdos. O convite era irrecusável. Escrever na área da Psicologia jáContinue a ler “Novas aventuras”

Açorianos em destaque nacional

A literatura açoriana está de parabéns. O escritor e ensaísta Miguel Real acaba de destacar, na sua crónica do quinzenário Jornal de Letras de 22 de janeiro a 4 de fevereiro de 2014, nomes da nossa praça. Segundo o crítico literário, “nos Açores, sobressai a continuidade de estilo e de tema nos novos romances deContinue a ler “Açorianos em destaque nacional”

O regresso a casa

Há viagens com significado, mas os regressos podem ter sabores especiais. Este teve, depois do convite de Vasco Pernes para mais uma noite bastante sentida. Na companhia da dinâmica mulher das letras, Patrícia Carreiro, que também apresentou o seu Fio Perdido, recapitulou-se a experiência nas lojas FNAC, as apresentações de Joaquim Fernandes e Miguel Real eContinue a ler “O regresso a casa”

A magia do Pico

Não era um sábado muito sedutor. Nem sequer convidava ao passeio, muito menos para um local mais “cinzento” do que a própria ilha. Mas as cores pardacentas estavam somente ao que os olhos distinguiam, porque os picoenses coloriram a Gruta das Torres com sorrisos, música e hospitalidade. A ilha do Pico surpreende mais uma vez,Continue a ler “A magia do Pico”