Arquivo de etiquetas: azores fringe festival

Conversas com Fringe

Os últimos meses têm sido invulgares, como se vivêssemos numa distopia inescapável. Os abraços foram substituídos por acenos, os sorrisos são agora píxeis num ecrã. Tal como inumeráveis eventos culturais do mundo inteiro, também o Azores Fringe Festival padecia de um provável adiamento, quiçá anulação — e, com ele, o encontro literário Pedras Negras.

Porém, graças à perseverança que a diferencia, a MiratecArts puxou do amor pelas artes, a mesma paixão que leva Terry Costa a galvanizar os Açores, e migrou para o digital. O desafio foi lançado e uniram-se as forças necessárias ao empreendimento. Em várias áreas, novos formatos emergiram, conceitos inovadores vingaram. No segmento da literatura, nasceu então a rubrica “Conversas com Escritores”.

Captura de ecrã 2020-06-23, às 22.28.47

As conferências por videochamada tornaram-se uma estranha tendência invasiva, uma apropriação da propriedade privada e das estantes de uns e de outros, mas formaram simultaneamente uma teia que uniu os alheios — no caso das programações culturais, uma espécie de rede circense.

Estes diálogos on-line que contaram com doze escritores MiratecArts, uma amostra do seu imenso catálogo de artistas, formaram a malha dos amantes da escrita e mantiveram viva a emoção da partilha. Valeu a pena. Obrigado pelo convite para esta aventura.

Para os que não puderam assistir, ou desejem rever, podem aceder à página do Facebook da MiratecArts ou ao Instagram de Almeida Maia.

Conversas com escritores

No ano de 2020, o Azores Fringe Festival manteve a sua agenda, migrando a maior parte dos eventos para as plataformas digitais. Na vertente da literatura, o escritor micaelense Pedro Almeida Maia irá moderar a rubrica “Conversas com Escritores” MiratecArts. Às terças-feiras, doze autores de várias ilhas açorianas juntam-se on-line para debater quatro temas, em quatro episódios.

A estreia será no dia 2 de junho, ao final de tarde, na página do facebook da MiratecArts, o endereço oficial para as produções desta associação cultura para o Fringe.

02 de junho: “Escrever versus omitir”, ou o que os escritores não dizem — com Diana Zimbron, Joel Neto e Nuno Costa Santos;
09 de junho: “A psicologia dos escritores”, ou se o ego também entra no texto — com Carolina Cordeiro, Diogo Ourique e Luís Rego;
16 de junho: “Os silêncios da literatura”, ou como se descrevem os vazios — com Carla Veríssimo, Pedro Paulo Câmara e Urbano Bettencourt;
23 de juno: “A invisibilidade dos leitores”, ou em quem pensam os escritores — com João Pedro Porto, Leonor Sampaio da Silva e Manuel Tomás.

O Azores Fringe Festival decorrerá de 29 de maio a 28 de junho, com programação única diária, no espírito de partilha original do que centenas de artistas açorianos andam a construir. Mais informação em: www.azoresfringe.com

Encontro de Escritores “Pedras Negras”

10411953_929937310400812_967047217096821261_nQue o Azores Fringe Festival coloca os Açores no mapa-múndi das artes, já todos sabem. O que alguns desconhecem é a energia que emana das partilhas que este acontecimento internacional proporciona. Com o epicentro na ilha do Pico, e réplicas por outras ilhas açorianas, os eventos diários transformam o mês de junho num bouquet artístico de renome.

Depois do efervescente espetáculo de abertura, na sexta-feira, que trouxe encenações de música, dança e até cuspidores de fogo, tinha chegado a hora da literatura. O encontro de escritores “Pedras Negras” revelou-se pela magnitude das emoções e experiências partilhadas através da visão de cada qual, tal como se define o mundo dos livros e da palavra escrita. Naquele primeiro momento, Pedro Paulo Câmara e Carolina Cordeiro traçaram uma admirável antologia de escritores açorianos de outros tempos, Gabriela Silva apresentou entusiasticamente “Os Três Florentinos”, acerca dos autores idos da sua ilha, e Manuel Tomás contou estórias deliciosas dos seus tempos de convivência com o escritor picoense Dias de Melo.

22384_832561473502595_6362400499012559784_n

Mas as maiores surpresas aconteceram no sábado, fora dos auditórios e longe dos holofotes. A primeira foi a visita informal à residência de Dias de Melo, em Calheta de Nesquim. Depois de se falar da obra e vida do escritor, no dia anterior, zarpou-se à descoberta de outros pedaços da sua existência. Desde que partiu deste mundo, em 2008, que a casa onde passou os seus últimos dias está entregue a si mesma. É triste ver ao abandono os alicerces do que resta da vida de um grande homem. O segundo momento recompensador foi o generoso convite para conhecer o escritor Ermelindo Ávila na sua própria casa. O ambiente enriquecido pelas coloridas paredes vestidas de livros e de fotografias deixou o grupo de alma cheia. A figura inspiradora do autor picoense, que celebra o centenário ainda este ano, reavivou a paixão dos presentes.

1560682_832847926807283_2075597036077401033_n

Durante a tarde, partilharam-se experiências literárias entre os escritores convidados. Tive o prazer de falar do caminho já trilhado e de ficar a conhecer melhor os percursos de Carolina Cordeiro, Cátia Martins, Gabriela Silva, Helena Pereira, Lucília Gonçalves, Malvina Sousa, Nuno Cabral e Pedro Paulo Câmara. Ilda Silva trouxe as obras de Amélia Meireles e de Patrícia Carreiro. Conhecer estas pessoas e as suas histórias foi uma lufada de ar fresco! Terry Costa, diretor da MiratecArts, anunciou também Nuno Rafael Costa como o vencedor do Prémio Discover Azores 2015, com o seu texto Amor-Basalto. Ao final do dia, presenciámos a cerimónia de lançamento do livro O Pintor Excessivo, de Manuel Tomás. Os eventos decorreram sempre debaixo da objetiva atenta de Mário Lino e com a companhia da artista Verónica Melo.

11252243_832555380169871_7303501761994773272_nA vertente gastronómica do Azores Fringe Festival não pode ser posta de parte. Depois de várias incursões nas especialidades da culinária picoense, o encontro terminou no domingo com o “Brunch de Letras”, mais uma oportunidade para ligar a literatura ao prato. Declamou-se poesia de uns e de outros, para outros e para todos. Terry Costa, além de responsável por colocar o local de Mirateca num pedestal, está mais uma vez de parabéns, por proporcionar a união dos açorianos através das artes. Um exemplo de empreendedorismo que quebra fronteiras e trilha novos caminhos, mesmo com recursos limitados. Imagine-se o que poderia ser feito com os cordões da bolsa desapertados.