Arquivo de etiquetas: mirateca arts

“Vinhas e Epigeus” vence Descobrir Açores 2014

CANTO PRIMOGÉNITO

madrugada

O doce marulhar sussurrava, distante, hesitante,
por entre acervos de lava negra, estendidos, abertos,
como cabelos de uma ninfa, garras de um tal Deus.
E a luz subiu, para aquecer as vinhas e epigeus.
A encosta reluziu, espelhou o amor de Apolo,
e as criaturas acordaram na verdade do seu colo.

A vinha baixa, rastejante, salivava toda a linfa,
Os muros soltos, alinhados, cujas pedras refulgiam,
agasalhavam os mistérios, os preciosos bagos.
E as uvas vacilaram naqueles cachos vagos.
Acalente a brisa os lagos, seus despidos alunos,
do frio, da tempestade e dos azares importunos.

CANTO SEGUNDO

manhã

A faina rasgou o chão, os suores lavaram os regos,
e as botas deslustradas caminharam para os cestos.
Madrugadores do labor, em sorrisos com sabor,
afundaram mãos de calor nas ramagens do amor.
E os cortes rasgaram os caules, a seiva debutante,
e os cachos tombaram, soltos, naquele instante.

Transbordados, subiram os vimes aos ombros,
o peso para as costas. O sumo virgem e fecundo
era diamante por lascar, bago de ouro por moldar.
Gemas ou preciosidades, granjearam novo lar.
E revolutearam todos, palpitaram em jubileu,
na descida para o lagar, na apoteose de Morfeu.

CANTO TERCEIRO

tarde

Ó ócio breve, Diabo da fadiga, do quebranto,
vai p’ra longe, ou p’ra mais perto do Inferno!
Deixa os homens trabalhar, despertos, atentos,
dai-lhes alma, alento, e libertai esses tormentos!
E a labuta regressou, alegrou os vinhateiros,
o alimento contagiou e libertou os adegueiros.

Eram todos iguais, quase irmãos, como se feitos
do mesmo barro, ou até vinho do mesmo jarro.
Prematuros de boa pinga que destilavam bagaço,
fortes como aço, mais do que um grande abraço.
E as lides regressaram, mas tão rápido passaram,
que a noite e os astros do céu negro se apossaram.

CANTO QUARTO

noite

Rara paz no amolar das navalhas, entre muralhas.
Até ao lavar dos cestos se vindima, vê-se a uva.
Por entre pipas gigantes, marcham, ao centro,
sem levar a boca às bicas, invadem, adega dentro.
Chegava a hora das pegadas no lagar, recheado,
regado pelos risos de um momento encantado.

“Este vai ser reserva!”, diz o da primeira pegada.
Conhecia cada sabor, cada licor, qualquer vinho
e aguardente. Ficava dormente, mas contente.
Calcaram os bagos, riram, bailaram alegremente.
E o suco precioso jorrou ali, verdadeiro, eis!
Tirado o vinho, há que bebê-lo! Bebeis?

in Jornal Fazendo, n.º 93, junho de 2014

Anúncios

A magia do Pico

Não era um sábado muito sedutor. Nem sequer convidava ao passeio, muito menos para um local mais “cinzento” do que a própria ilha. Mas as cores pardacentas estavam somente ao que os olhos distinguiam, porque os picoenses coloriram a Gruta das Torres com sorrisos, música e hospitalidade.

Terry Costa e os Atlantis Brass Ensemble | Fotografia de Jaime Debrum
Terry Costa e os Atlantis Brass Ensemble | Fotografia de Jaime Debrum

A ilha do Pico surpreende mais uma vez, numa apresentação que abarrotou de significado, não só porque é onde começa a história de Bom Tempo no Canal e por onde se divaga nos Maroiços do Capítulo 41, mas também pela inspiração que o “canal” oferece e pela arte de bem receber destas nossas gentes.

Seguiu-se a descida. “Fiquem sempre do vosso lado esquerdo”, alertava Maria João, a amável e experiente guia. Ligaram-se as lanternas e desceram-se os degraus escorregadios. A caverna inundou-se de luz e de mistério e, além dos pingos que caíam aqui e ali, o som de um saxofone ecoou pela vastidão do espaço.

Fotografia de Jaime Debrum
Sofia Sousa e Daniel Pena | Fotografia de Jaime Debrum

O grupo desceu até um novo patamar e embasbacou-se com a visão: a bailarina Sofia Sousa, trajando um arrojado vestido rubro, com os pés desnudos sobre a pedra basáltica, fazia rodopiar suavemente o corpo ao som do sax de Daniel Pena. Um momento arrepiante.

Como se não bastasse, depois de conquistados mais alguns metros em profundidade, numa câmara imensa e imensamente escura, iluminada apenas pelos ténues feixes de luz das lanternas, esperavam-nos outros sons. Catarina Paixão deslizava magistralmente o arco pelas cordas do violino e oferecia mais um momento de pura magia.

Aplausos | Fotografia de Jaime Debrum
Aplausos | Fotografia de Jaime Debrum

Terry Costa, o irrepreensível organizador do evento e promotor da Mirateca Arts, juntou-se ao palco improvisado na rocha vulcânica e declamou excertos da Redescoberta da Atlântida, enquanto Sofia Sousa voltava a mostrar passos de bailado inebriantes. Os aplausos pareceram ecoar teimosamente nas paredes gélidas, num misto de emoções que incluía a admiração. Depois da subida, falou-se de livros, de Açores, de histórias e de aventuras.

Depois, um convívio mais próximo, muito mais pessoal. Um a um, os convidados usaram da palavra e partilharam as suas visões, os seus ideais. Biscoitos, uma bebida licorosa, dedicatórias, risos e abraços. Muitos abraços! Quem me dera ser um gigante, para poder abraçar a ilha montanha. Não há palavras suficientes que possam eternizar o reconhecimento por estes momentos muito bem passados.

O júbilo das artes

A Mirateca Arts colocou os Açores no mapa. Será a Vila da Madalena o palco que, de 19 a 30 de Junho, irá receber artistas de todos os cantos do planeta. Este foi um texto escrito acerca da iniciativa “Descobrir Açores”, que agora partilho com os “ouvintes” do Pavilhão Auricular:

E eis que se acabaram as brumas, levantaram-se as névoas; o céu lavou-se dos flocos de algodão flutuantes e floriu o desfiladeiro para uma passagem aberta. O vento bafeja agora a brisa profícua das mulheres e dos homens que trazem luz ao mundo: os criadores.

??Os olhares encaminham-se para o alto – para o azul-celeste – que acasala com a imaginação dos mestres da criatividade, parece não mais encerrar fronteiras. Os músicos, compositores e maestros da orquestra do infinito interrompem o concerto para ouvir com clareza o som da anunciação da novidade, e os pintores de aguarelas cristalinas levantam as barbas do pincel e sentem as pupilas dos olhos dilatarem para o que há muito esperavam: a luz! Os escultores dão descanso à solda, ao escopro, ao suor, e sentem o calor da descoberta nas peles arrepiadas. Os escritores, os autores e os poetas pousam o lápis no papel, afundam a pena na tinta e saem à rua, ao descampado: querem compreender o acontecimento. O segundo acto não chega a ser terceiro, pois o palco do teatro vê-se desprovido dos actores, actrizes, encenadores e figurantes que atravessam a plateia em direcção ao lado de fora, à multidão. Os desenhistas e desenhadores, arquitectos, ilustres ilustradores ilustrativos deixam os traçados da cartolina e os ecrãs de computador ermos, desamparados, abandonados, e juntam-se à folia da revolução. Os mestres da fotografia e da imagem retratada abdicam do estúdio para se aliar ao júbilo do talento e convidam os cineastas, argumentistas e realizadores da sétima arte a assistir a um filme totalmente diferente, a uma epopeia da criação. O relojoeiro, o artesão e o costureiro abandonam as modas e caminham de braço dado. As televisões emitem zero, as rádios cospem estática, a internet parou, estacou, congelou. Estão todos à espera. Do quê?

Do anúncio. Da notícia que espalha que este é o primeiro dia! Não apenas um dia soalheiro e quente, tão quente como o amor que os criadores derramam no seu trabalho, mas um dia em que essa faina vai finalmente viajar, tomar os palcos do mundo, ver a luz, tornar-se luz! Sentem-se suspensos, leves, de rédeas soltas, e nem sequer o céu pode ser o limite. Nem sequer a luz imensa os pode cegar, porque é de luz e de palmas que eles vivem.

Agora estão preparados: hoje receberam um voto de confiança, uma consagração reconfortante, um repto estimulante. Sabem que o dia de amanhã será diferente, que irá trazer boas colheitas. Pois, se antes viviam de costas voltadas uns para os outros, por desconhecimento ou afastamento, pelo mar que separa os nove ilhéus, pela inoportunidade que vingou ou pelas inconstantes marés revoltas, agora podem encher o peito de ar! E podem soprá-lo aos velames dos seus batéis e transformá-los em caravelas, em naus de guerra. Mas de uma guerra saudável, de uma batalha legítima: a luta pelo conhecimento.

Azoresfring_mapa

Mas o que é o conhecimento, o saber, a genialidade de um povo? Não está na sua cultura, nos seus hábitos, nas suas representações? Nas suas artes? Não é o talento que lidera, não é a inspiração do artista que inspira a ciência e o progresso? Não é o palhaço triste que nos faz sentir homens e mulheres humildes? Não é a música que tanto nos faz vibrar e sonhar como chorar? Não é nos livros que está a nossa e a vossa sabedoria? Não é a dança dos cisnes que nos faz voar? Não é o desenho ilusório e o quadro que nos impressiona e nos faz pensar, duvidar? Não são os pensadores que dão origem às ideias? Não é desse pensamento que provêm soluções? Então, o que aconteceu? Porque demorastes tanto tempo a chegar a essa conclusão?

Pois bem. Então, digo-vos: pensar é criar, imaginar é conceber, mostrar é existir. E é apenas isso que os criadores almejam: mostrar. Sempre o quiseram. Os artistas açorianos sempre desejaram desvendar o seu lado primoroso. Agora podem, entre si – e para si. Por isso mesmo, vamos descobrir, vamos descortinar os dons das ilhas. E ao povo declamam: obtende os nossos livros, discos e bilhetes de espectáculo; bradai bem alto e em bom som, profetizai as nossas telas, fotografias e desenhos; enaltecei aqueles que só pedem as vossas palmas!! E nunca, mas nunca esqueçais: um povo sem cultura simplesmente não existe.

Eis que o pano sobe, ouvem-se as palmas, a ovação de pé, o público ao rubro com as emoções da criação. Vão agora desvendar, finalmente perceberam. Vão Descobrir Açores no Fringe Festival!

in Jornal Terra Nostra, 14 de Junho de 2013
in Jornal Mundo Lusíada (Brasil), 17 de Junho de 2013