Batéis de Lava

A minha torre de controlo fica do lado dos Mosteiros. A vista é amorosa. Demasiado ventoso, no entanto. Os rebocadores vão na frente, arrastando São Miguel e Santa Maria. Esta manhã, avistei a Terceira e comuniquei com a torre deles. Murmuraram que aquilo era histórico. Li o manifesto de carga, autorizei-o com uma impressão digitalContinue a ler “Batéis de Lava”

“Vinhas e Epigeus” vence Descobrir Açores 2014

CANTO PRIMOGÉNITO madrugada O doce marulhar sussurrava, distante, hesitante, por entre acervos de lava negra, estendidos, abertos, como cabelos de uma ninfa, garras de um tal Deus. E a luz subiu, para aquecer as vinhas e epigeus. A encosta reluziu, espelhou o amor de Apolo, e as criaturas acordaram na verdade do seu colo. AContinue a ler ““Vinhas e Epigeus” vence Descobrir Açores 2014″

Degraus de palha

Vejo degraus de palha; dirigem-se para o cerúleo do céu, pintalgado com rasgos de branco. Subo às nuvens e sento-me, olhando de cima o que está por baixo; ao mesmo tempo, sei que não estou acima de rigorosamente nada; mas não estou só, também o sei. Balanço com o vento e deixo-me levar pelo encantoContinue a ler “Degraus de palha”

O relógio bateu as horas

O céu de Londres mostrava o seu lado escuro, como se pincelado a carvão. O alcatrão molhado espelhava o luar tímido e denunciava a chuva que acabara de diluir a metrópole. James Worth arrumava, no bolso das calças de fazenda cerúleas, um estranho envelope dourado. «Onde se meteu o gajo?», matutou, enquanto subia o fechoContinue a ler “O relógio bateu as horas”

Carta do meu brinquedo

Quanto tempo, quantas horas passámos juntos? Quantas vezes me fizeste pulsar com a tua energia de pupilo, de menino? Aguardava, no meio do chão atapetado do teu quarto semi-arrumado, ansioso pela tua chegada; ou, então, na prateleira do escaparate de pinho, entre livros e outros idênticos a mim. Não me importava quando não me escolhias:Continue a ler “Carta do meu brinquedo”

Nunca partiste um vaso

Silêncio. É o que ouves à noite. Quando te deitas, e aprecias esse mundo que criaste, é silêncio que ouves. O tilintar dos copos do jantar de família é o único som que te irrompe os pensamentos, mas aparece ermo, singular. Como tu! Começaste por querer ser um exemplar académico. Aderiste à falsa religião, comContinue a ler “Nunca partiste um vaso”

As férias perfeitas

Ameno. O ar entorna um calor seco e afável. São sete da manhã. Não me lembro de acordar a esta hora, sem relógio, desde as férias grandes dos meus tempos de escola primária. Naquele tempo, acordava com vontade de sair para a rua e galhofar. Hoje, acordo com capricho de brincar — outra vez! EstouContinue a ler “As férias perfeitas”

Caro patrono

Peço perdão. Peço perdão por lhe redigir estas linhas. Escrevo-as para participar que hoje não irei comparecer. Hoje, não estarei ao seu dispor; ao contrário dos outros trezentos e sessenta e quatro dias do ano, em que um “não” nunca foi proferido pelos meus beiços, a não ser para dizer que “não há problema”. Nem mesmo emContinue a ler “Caro patrono”

Pepitas misteriosas

Nas pepitas misteriosas da noite Danças com um velame de seda; Alumias o caminho escondido, Reluzente, de tanto alarido, Que me arrasta até à labareda, Até um imenso Sol que nos afoite. Nas pepitas joviais dos teus olhos, Vejo o rosto eternamente vidrado. Aquele que nunca o rumo mudará, E que desde — e paraContinue a ler “Pepitas misteriosas”

Copo vazio

A noite vestia-se com um luar hialino que banhava a esplanada do Restaurante Ratzy. No cimo da mesa mais chegada ao varandim — que dividia o espaço de uma vista cristalina sobre Paris — estavam dois grandes amigos. Glass é um copo americano de sete centímetros. Já vivera muitos anos e as suas feições acusavamContinue a ler “Copo vazio”

Decidir cinzento

Vejo tudo negro. Tudo cinza. Não enxergo que lado é este que tanto me atormenta, que tanto me castiga. Vai! Vai embora! Deixa-me estar na minha alegria, no sorriso que transbordo para os que me abraçam. Liberta-me das tuas unhas, que não as quero mais poderosas, liberto-te do poder que tens sobre mim, liberto-me deContinue a ler “Decidir cinzento”

Carta ao meu jovem de 20 anos

Meu querido, Escrevo-te de uma distância desmedida. De tão longe que uma década não bastaria para chegares aqui, por mais despachados que fossem os teus calcanhares, por mais ligeiro que fosse o teu cavalo, por mais ágil que fosse a tua nave. Por enquanto, só me consegues alcançar com o teu pensamento, com os teusContinue a ler “Carta ao meu jovem de 20 anos”