Arquivo de etiquetas: Bom Tempo no Canal

O regresso a casa

Há viagens com significado, mas os regressos podem ter sabores especiais. Este teve, depois do convite de Vasco Pernes para mais uma noite bastante sentida.

Na companhia da dinâmica mulher das letras, Patrícia Carreiro, que também apresentou o seu Fio Perdido, recapitulou-se a experiência nas lojas FNAC, as apresentações de Joaquim Fernandes e Miguel Real e a organização exímia de Terry Costa da MiratecArts na ilha do Pico, nas mais recentes aventuras literárias. Mas também falámos de futuro, de utopias, de Vamos Sentir com o Necas e de outros projetos vindouros.

Neste programa, Vasco Pernes também convida os músicos André Jorge e Luís H. Bettencourt, a Escola Profissional de Vila Franca do Campo e a Tertúlia do Petisco. Para ver o episódio completo, clique aqui.

A magia do Pico

Não era um sábado muito sedutor. Nem sequer convidava ao passeio, muito menos para um local mais “cinzento” do que a própria ilha. Mas as cores pardacentas estavam somente ao que os olhos distinguiam, porque os picoenses coloriram a Gruta das Torres com sorrisos, música e hospitalidade.

Terry Costa e os Atlantis Brass Ensemble | Fotografia de Jaime Debrum
Terry Costa e os Atlantis Brass Ensemble | Fotografia de Jaime Debrum

A ilha do Pico surpreende mais uma vez, numa apresentação que abarrotou de significado, não só porque é onde começa a história de Bom Tempo no Canal e por onde se divaga nos Maroiços do Capítulo 41, mas também pela inspiração que o “canal” oferece e pela arte de bem receber destas nossas gentes.

Seguiu-se a descida. “Fiquem sempre do vosso lado esquerdo”, alertava Maria João, a amável e experiente guia. Ligaram-se as lanternas e desceram-se os degraus escorregadios. A caverna inundou-se de luz e de mistério e, além dos pingos que caíam aqui e ali, o som de um saxofone ecoou pela vastidão do espaço.

Fotografia de Jaime Debrum
Sofia Sousa e Daniel Pena | Fotografia de Jaime Debrum

O grupo desceu até um novo patamar e embasbacou-se com a visão: a bailarina Sofia Sousa, trajando um arrojado vestido rubro, com os pés desnudos sobre a pedra basáltica, fazia rodopiar suavemente o corpo ao som do sax de Daniel Pena. Um momento arrepiante.

Como se não bastasse, depois de conquistados mais alguns metros em profundidade, numa câmara imensa e imensamente escura, iluminada apenas pelos ténues feixes de luz das lanternas, esperavam-nos outros sons. Catarina Paixão deslizava magistralmente o arco pelas cordas do violino e oferecia mais um momento de pura magia.

Aplausos | Fotografia de Jaime Debrum
Aplausos | Fotografia de Jaime Debrum

Terry Costa, o irrepreensível organizador do evento e promotor da Mirateca Arts, juntou-se ao palco improvisado na rocha vulcânica e declamou excertos da Redescoberta da Atlântida, enquanto Sofia Sousa voltava a mostrar passos de bailado inebriantes. Os aplausos pareceram ecoar teimosamente nas paredes gélidas, num misto de emoções que incluía a admiração. Depois da subida, falou-se de livros, de Açores, de histórias e de aventuras.

Depois, um convívio mais próximo, muito mais pessoal. Um a um, os convidados usaram da palavra e partilharam as suas visões, os seus ideais. Biscoitos, uma bebida licorosa, dedicatórias, risos e abraços. Muitos abraços! Quem me dera ser um gigante, para poder abraçar a ilha montanha. Não há palavras suficientes que possam eternizar o reconhecimento por estes momentos muito bem passados.

Feira do Livro de Lisboa

Feira do Livro de LisboaDepois de colocados à solta, os livros ganham vida própria. Por vezes não é possível ditar até onde podem ir, mas é sabido que “o céu é o limite” — exactamente por não ser sequer um limite.

Nos jardins emblemáticos do Parque Eduardo VII, a 23 de Maio arranca a 83ª Feira do Livro de Lisboa, que até 10 de Junho mostrará uma colecção invejável de obras literárias a preços de ter em conta.

O romance “Bom Tempo no Canal — A Conspiração da Energia” estará por lá, a aguardar pelos ávidos leitores lisboetas e não só. O sabor especial que este tipo de presença pode ter é a inegável sensação de que a palavra está a espalhar-se, e o bom tempo também!

Aqui há selo

Depois de abrir várias portas — e também pórticos intransponíveis —, eis que a literatura rasga agora uma janela e deixa desaguar a frescura do ar livre. Que melhor liberdade se pode abonar a um livro senão deixá-lo partir? Que destino mais espairecido existirá senão a dádiva de um par de asas?

CTT O Meu SeloDepois de abrir mão da obra, do texto, das palavras, o escrevente almeja chegar mais longe, como se fosse ele o dedo esticado retratado numa “Criação de Adão” de Michelangelo, deseja romper fronteiras, desbastar caminho, e a cada passo sente-se mais próximo: do outro lado, do leitor, do crítico, do silencioso, do apreciador, e até mesmo do desgostoso.

A porta que se abre hoje é afinal um portal, um portentoso elo com o mundo civilizado dominado por emails e redes. Escancarou-se graças aos CTT, os pombos-correio deste país de exploradores lusitanos encantadores, que se fizeram encantar pelo canal e pelo bom tempo em faz-de-conta que por lá fazia. E é assim que a capa maravilhosamente orquestrada pelo brother das artes ganha vida própria, ganha asas: é um selo! Sim, um selo que irá percorrer o mundo à moda antiga, sabe-se lá até quando, até onde, como ou ao lado de quem. O que interessa é que ele agora é livre.

Próximo capítulo: 41

Em recente conversa com Vasco Pernes, no talk-show da estação açoriana “Noite dos Sentidos”, levantou-se o véu do romance número dois. A entrevista foi para o ar no dia 20 de Abril de 2013, e presenteou os espectadores com novidades acerca do livro que vai suceder Bom Tempo no Canal – A Conspiração da Energia, galardoado com o Prémio Letras em Movimento em 2010.

A ficção policial estreada em Junho de 2012 já teve lugar à 2ª edição: a apresentação decorreu no dia 26 de Abril de 2013 no Teatro Ribeiragrandense, durante a semana cultural PRIMARTE e a convite da Câmara Municipal da Ribeira Grande.

A história que tem John Mello como personagem principal (um drilling engineer da empresa que gere a energia geotérmica nas ilhas, e que vê sabotada a nova perfuração da ilha do Pico) deixa uma ponta solta, além de um capítulo oculto.

Em estilo policial, a sequela intitulada Capítulo 41 – A Redescoberta da Atlântida convida o leitor a visitar recentes locais e achados arqueológicos sugestivos à passagem de outros povos pelos Açores antes dos portugueses. Além disso, faz igualmente desfilar informação pertinente acerca da localização da Atlântida perdida de Platão.

O vídeo acima foi editado. Para ver o episódio completo, visite:
http://videos.sapo.pt/6AjwOhzYgK2dnmMRbAAN

Ribeira Grande com bom tempo

O EVENTO

É com enorme regozijo que se apregoa: John Mello regressa à Ribeira Grande! Em conjunto com a Câmara Municipal da CMRG LOGO 2011_12Ribeira Grande e a Universidade Aberta, e inserido no evento cultural PRIMARTE – que liga a Primavera à Arte – o autor Almeida Maia transpõe o livro Bom Tempo no Canal – A Conspiração da Energia para o concelho onde existe a maior expressão da energia geotérmica nos Açores, desta vez na vida real. O evento está marcado para o dia 26 de Março de 2013, data em que se comemora igualmente o DIA DO LIVRO PORTUGUÊS, a ter lugar às 20h00 na Sala Azul do Teatro Ribeiragrandense.

A apresentação ficará a cargo da Dr.ª Patrícia Carreiro, Coordenadora do Projecto EscreVIVER (n)os Açores e membro activo da Associação Ilhas em Movimento. Em representação oficial da Publiçor, poderemos contar com o Sr.º Ernesto Resendes. A mesa incluirá também o Dr.º Luís Almeida, director da Bertrand Ponta Delgada e júri no concurso “Letras em Movimento 2010”.

O CONTEXTO

Green EnergyEsta apresentação assume um significado especial, tanto para o autor – por ser um regresso às origens genealógicas – como para as entidades promotoras, tendo em conta que uma boa parte da acção de Bom Tempo no Canal se desenrola nas encostas da Lagoa do Fogo, concelho de Ribeira Grande. Como é sabido, esta ficção aborda questões relacionadas com a liberalização dos mercados energéticos, e com as Energias Renováveis, com ênfase especial para a geotermia nos Açores. Igualmente de salutar é esta apresentação englobar também o lançamento da 2ª edição por parte da editora Letras Lavadas, ou seja, todos os ingredientes necessários para que seja um momento emocionante estão reunidos.

A PRIMARTE

Desde 2008 que a PRIMARTE é um evento que se realiza no advento da Primavera, organizado em parceria entre a Universidade Aberta NovoCÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE e a UNIVERSIDADE ABERTA. É um acontecimento que tem como objectivo principal celebrar a PRIMAVERA em união com a ARTE. Nesse sentido, congrega lançamentos de livros, concertos musicais, formações, palestras, Feira do Livro e outros momentos de descontracção, como a rubrica “Tomar Café com…”. Todos os anos, entre os dias 21 de Março e 1 de Abril, a Ribeira Grande veste-se de Primavera e celebra-a com as mais variadas demonstrações de Arte.

O LIVRO

O romance Bom Tempo no Canal – A Conspiração da Energia foi vencedor do Prémio Letras em Movimento, organizado pela Associação Ilhas em Movimento em 2010. É uma edição de Junho de 2012 da Publiçor – Letras Lavadas. Surge numa altura em que o planeta necessita de medidas emergentes na gestão das fontes de energia. Anunciado o fim das possibilidades fósseis, como o petróleo – o ouro negro –, quais são os desafios das sociedades modernas? Quais são as alternativas energéticas ao nosso alcance? Como pode a energia geotérmica contribuir para um futuro mais sustentado?

A MÚSICA

Após a breve cerimónia, terá lugar um momento musical com Raquel Dutra, com o seu mais recente trabalho Cantos do Mar e da Terra. O projecto musical nasceu em meados de Janeiro de 2007, fruto de uma proposta endereçada aos seus elementos para, em conjunto, animarem serões a interpretar fado. Reunidos pelo amor à música e partilhando do gosto pela sua terra, entre os três músicos amadores, naturalmente brotou a vontade de tocar, também, temas de origem tradicional açoriana. Adílio Soares, Jorge Dutra e Raquel Dutra, compõem o alinhamento.

Este Natal, que tal oferecer “Bom Tempo no Canal”?

A equipa da Estação de Correios Vasco da Gama, em Ponta Delgada, está a desenvolver uma acção de divulgação, em conjunto com o autor Almeida Maia, para promover a obra Bom Tempo no Canal – A Conspiração da Energia. A iniciativa vem na sequência da estratégia de proximidade com o Cliente, dinamização dos seus espaços, e assim promover o que de melhor acontece em redor.

Estação de Correios Vasco da Gama, Ponta Delgada

Recorde-se que esta obra, editada pelo grupo Publiçor/Letras Lavadas e galardoada com o Prémio Literário Ilhas em Movimento 2010, está disponível para venda em 29 Estações dos CTT espalhadas pelas 9 ilhas dos Açores. O objectivo da acção é permitir ao leitor adquirir um exemplar personalizado com ou sem dedicatória do autor, independentemente de onde se encontre. Quer o cliente procure a aquisição para si próprio ou para oferta, do Corvo a Santa Maria, basta dirigir-se a uma estação dos Correios e reservar quantos  exemplares desejar desta história de ficção. O autor irá personalizar e assinar publicamente cada exemplar no dia 14 de Dezembro a partir das 16h, ficando também disponível para interagir com os leitores na estação Vasco da Gama, em Ponta Delgada, mesmo que já tenham adquirido a obra anteriormente.

Bom Tempo no Canal – A Conspiração da Energia, é uma obra de ficção cujo enredo se passa nas nove ilhas açorianas. A história tem início num hipotético futuro, em que a exploração da energia geotérmica está a dar os primeiros passos nas encostas da ilha do Pico. John Mello lidera o projecto revolucionário que se vê ameaçado ainda antes do seu arranque por uma explosão aparatosa. A partir desse momento, percorre sendas tortuosas e descobre alguns segredos acerca das ilhas enquanto tenta desvendar quem se esconde atrás da máscara.

Este enredo literário tem recebido boa crítica. Alguns dos adjectivos mais comuns usados nos comentários à obra descrevem o estilo como “cinematográfico” e “empolgante”.

Na baía com…. Bárbara Azevedo

Estávamos no fim de tarde do vigésimo nono dia do sexto mês deste ano de dois mil e uma dúzia. As luzes do confortável Auditório da Biblioteca Pública e Arquivo Regional de Ponta Delgada baixaram a sua agudeza para deixar brilhar uma ainda mais forte: Bárbara Azevedo. O sopro do piano encheu a sala de forma hipnótica e a voz afectuosa da oriunda da ilha cinzenta encheu a alma dos presentes com as letras de Torna Viagem, do nosso grande Zeca Medeiros. No final, ao se dirigir algumas palavras a esse homem notável da cultura dos nossos ilhéus, que assistiu à actuação, confessou ter admirado a prestação e a forma como o tema foi adaptado pela cantora.

Bárbara Azevedo, ao vivo no Auditório da Biblioteca Pública e Arquivo Regional de Ponta Delgada.

Alguns dias mais tarde, numa esplanada da baía das Portas do Mar – onde os Anjos se passeiam –, estava eu sentado nas cadeiras escuras, patrocinadas por uma bebida qualquer. Assinalei com o indicador direito ao empregado para me trazer um descafeinado cheio e olhei a marina. Apreciei o movimento sereno de uma embarcação à vela que irrompia pelo porto da cidade e respirei fundo aquele bom tempo na baía. Era um dia soalheiro e perfeito para uma conversa informal com Bárbara. Tínhamos combinado falar um pouco acerca do seu percurso, e eu estava bastante curioso quanto ao que ela teria para dizer. O empregado trouxe a bebida quente desprovida de cafeína, que consumi em quatro ou cinco sorvos. Olhei o visor do telemóvel: “Estou a chegar”. E chegou mesmo.

Bárbara tem muitas qualidades, mas a sua humildade e simpatia deixam qualquer pessoa empática logo num primeiro contacto. Depois dos cumprimentos da praxe, dos beijinhos e do “como tens andado?”, olhei o gravador.
— Importas-te que grave a nossa conversa? — perguntei.
— Não, claro que não — respondeu ela, sem cerimónias.
Pressionei o botão que tem uma circunferência rubra inscrita e deixei o dispositivo pousado ao centro da mesa da esplanada.

Bárbara Azevedo, vencedora do Festival “Baleia de Marfim” nas Lajes do Pico no ano de 2000.

— Em relação ao teu percurso na música, para percebermos onde se enquadra na tua vida, queria entender um pouco do teu passado. De onde vens, o que trazes contigo na bagagem….
— Eu sou natural do Pico. Toda a minha família está lá, as minhas raízes. Quanto à música, os meus pais dizem que até antes de falar, comecei a cantar primeiro! — riu-se. — Comecei no Pico, a participar no Festival Baleia de Marfim. Com cinco anos, primeiro fui para o Corvo; depois, com sete anos, comecei a participar como concorrente e, em 2002, fui vencedora no Festival Baleia de Marfim. Vim à Caravela de Ouro, na Povoação, e também fui vencedora; fui à Figueira da Foz e também ganhei os prémios todos que haviam a nível nacional — mais risos.
— Fantástico! — ainda agora tínhamos começado, e já eu estava impressionado.

— Ainda fui à Madeira com essa música (Quando Eu For Grande), só como participação especial. Depois, quase que já passava da validade — deixou escapar mais risadas —, da idade mínima para participar no festival. Participei só mais um ano, fiquei em segundo lugar, e vim como participação especial aqui a São Miguel. Após isso, fiz uma primeira actuação aos onze anos lá na minha freguesia (sorrisos). Ainda não conseguia cantar e tocar ao mesmo tempo, foi só uma actuação “tocada” (risos). O meu pai ajuda-me a fazer o repertório, e é uma das minhas grandes influências nas escolhas, porque desde pequena que convivo com música lá em casa: o meu pai toca viola, a minha mãe também canta e toca viola.

— As letras que tu interpretaste nesses concursos eram escritas….?
— Foram escritas pela minha mãe — interpelou a cantora.
— Pela tua mãe? — a retórica só significava que eu estava perante apenas um dos membros de uma família talentosa.
— Pela minha mãe — repetiu Bárbara, com orgulho nos olhos.
— Então tens, tanto do lado do teu pai como do lado da tua mãe, influências a esse nível? — questionei.
— É, é — confirmou ela. — Tanto eu como a minha irmã, concorríamos com músicas em que as letras eram escritas pela minha mãe — pois é: a irmã também canta!
— E como é que vieste parar aqui, a São Miguel?
— Fiz o secundário lá, fiz até ao décimo primeiro ano…. depois resolvemos vir todos numa aventura. Estive a fazer o décimo segundo ano, quando decidi entrar para a Globalpoint Music. Já tinha feito até ao quinto grau de conservatório no Pico, no curso de piano; depois de chegar aqui não quis ir logo para o conservatório. Já era um ambiente novo, professores novos, escola nova…. era muita coisa nova, e ter mais a responsabilidade do conservatório…. então, decidi tirar um ano para me divertir, na Globalpoint…. (sorrisos).

— Mas tens planos para ingressar no conservatório, aqui?
— Eu continuo lá, vou agora para o oitavo grau, mas penso que…. não vou seguir a área clássica. A única coisa que vou fazer é tirar algumas bases importantes, que são precisas para depois adaptar para as minhas músicas.

Participação especial no Festival da Madeira 2001.

— No ensino secundário, qual foi a área que seguiste, só por curiosidade?
— Foi a área de ciências. E agora estou a tirar enfermagem, aqui em São Miguel. Vou agora para o terceiro ano. Já sou metade enfermeira — deixou escapar um sorriso.
— Como achas que vais conseguir tratar melhor as pessoas: como enfermeira ou como artista ligada à música? — não pude resistir em lançar a pergunta.
— Não sei, tenho essa dúvida…. (risos) às vezes penso que se juntasse a parte de enfermagem com a musicoterapia, as coisas davam certo! (risos) — e eu também concordei!

— Agora, a Bárbara Azevedo aparece em São Miguel…. um pouco mais madura, não é? Já não são aqueles festivais em que participa malta mais jovem…. Começas a aparecer junto dos grandes. Qual é a sensação?

— É uma sensação muito boa, porque isto aconteceu tudo muito depressa: comecei a compor algumas coisas em Setembro do ano passado, algumas letras…. comecei a arranjar algumas melodias, e as coisas parecem-me que sairam mais ou menos (risos)…. — cá estava a Bárbara a ser modesta. — No Natal dos Hospitais, fui convidada a ir apresentar um dos meus temas e o feedback foi muito bom! Apresentei só um original com piano e voz, que depois começou a passar na rádio! Após isso, fui à Globalpoint gravar um outro original, também para circular, mas numa vertente diferente: uma banda completa para também dar um pouco mais de mim, como artista. Começou também a passar na rádio e comecei a ser convidada para algumas entrevistas.

Actuação ao vivo no dia 25 de Abril de 2012 nas Portas da Cidade, em Ponta Delgada.

— Qual é a diferença entre tocar sozinha e tocar numa banda? — uma das perguntas da praxe.
— É completamente diferente. Dá-me agora outra perspectiva de como é que eu posso agora compor as músicas, porque quando compus a Old Picture, foi só em piano e voz, nunca pensei que pudesse ter aquele resultado. Fiquei muito satisfeita!
— Mas notas uma diferença só em termos de composição e orquestração, ou também em termos do produto final?
— Em termos do produto final também! — confessou. — E penso que o feedback também é diferente, porque já tive várias perspectivas: até mesmo o cover de Pedro Abrunhosa; pessoas que gostam mais de me ver na vertente da Old Picture do que numa vertente mais acústica. Isso também é importante para mim: ver o feedback das pessoas nesses vários estilos.
— E em qual das perspectivas te sentes mais à vontade?
— Nas duas — assentiu com a cabeça, confiante. — Sinto-me à vontade nas duas.

— E a tua relação com o piano, qual é? — a relação de um músico com o seu instrumento é sempre única.
— Ah!, a minha relação com o piano é…. eu digo que…. se passo um dia sem tocar piano, acho que fico com sinais de privação! — soltou uma gargalhada. — Não, eu tenho uma relação muito boa com o meu piano!
— Muito bem. Já percebi isso, já vi que és uma aficcionada das teclas, mas também tocas outros intrumentos, ou não?
— O meu pai ensinou-me a tocar viola, também arranho qualquer coisa nessa área. Mas o que eu gosto mais é do piano e da voz: o tocar e cantar é…. é quase como a cereja em cima do bolo!

— O teu percurso neste momento é: compor, escrever…. e a seguir? — vamos lá a falar do futuro.
— Isto está tudo num processo de maturação. Para além dos dois originais que já lancei, tenho cerca de mais nove ou dez. Quero que eles amadureçam e que eu também amadureça mais um bocadinho; tenho também o sonho de lançar um trabalho meu: talvez daqui a dois anos…. vamos ver como as coisas correm! Estou a ver se consigo encontrar alguns patrocínios; de momento, os originais estão a ser patrocinados pelo pai e pela mãe! (risos)…. e a divulgação destas músicas tem também esse fim: ver se alguém se interessa pelo meu trabalho, e que queira patrocinar parte dele.
— Quando falas em gravar, noto esse obstáculo que é o mesmo da grande maioria: o financeiro!
— Em relação ao financeiro…. eu também não gosto de gravar como se fosse “ao metro”; gosto de fazer um trabalho, limar arestas e quando vejo que está pronto, tenho a preocupação de o mostrar primeiro aos meus pais e amigos mais chegados, para me darem mais algumas dicas. Com esses originais, consigo também receber o feedback das pessoas; se estão a gostar realmente e se vale a pena ir para a frente com o trabalho.

Bárbara Azevedo em actuação.

— A experiência em estúdio?
— Ah!, a experiência em estúdio! Foi…. — o rosto de Bárbara iluminou-se com um enorme sorriso. — Eu estava maravilhada naqueles dias em que fui gravar para o estúdio (mais risos), gostei imenso daquela experiência! Nunca tinha ouvido a minha voz gravada….
— Não?!  — admito que fiquei surpreso.
— Não, nunca tinha ouvido a minha voz gravada.
— Mas com tantas actuações, com tantas participações em concursos….?!
— Nunca tinha ouvido assim…. a minha voz! A primeira vez foi com Luís H. Bettencourt, que foi excelente nesse aspecto; gravámos o tema The Truth, que apresentei no Natal dos Hospitais, e fiquei maravilhada com tudo…. Depois, na Globalpoint, também com a gravação em estúdio…. E para a próxima semana vou gravar mais um tema lá.
— Então, mas preferes ver um tema acabado para depois começar outro, é assim?
— Sim, exacto. E vou também divulgando mais alguns covers; agora, não vou lançar mais originais. Lancei estes dois em vertentes diferentes; vou lançar alguns novos no meu canal do YouTube, penso que são esses que dão mais projecção…. músicas conhecidas na minha própria versão. Os originais que eu for gravando, vou guardando para depois, para o lançamento do trabalho.
— E por falar em covers, qual foi a sensação de tocar em frente ao grande Zeca Medeiros?
— Ih!, (risos)….
— E como se isso não bastasse, um tema dele?
— Foi uma sensação muito boa! É claro que é mais responsabilidade, estar a tocar para o compositor daquele tema, mas foi uma sensação muito boa!
— Ele manda-te um abraço e transmitiu-me que adorou a tua versão! Acho que isso quer dizer alguma coisa, e estás de parabéns!
— Obrigada! É esse feedback que uma pessoa procura sempre quando faz as actuações, e fico muito contente por ele ter gostado da minha versão e da minha voz, mesmo estando constipada como estava naquele dia.
— Mas saíste-te muito bem! — saíu-se mesmo!
— Obrigada!

— A tua ambição, como açoriana, independentemente de seres picoense ou não, é chegar onde?
— Bom, costuma-se dizer que o céu é o limite, não é? Vamos tentar chegar o mais alto possível, mas com os pés bem assentes no chão, e tudo o que vier é bom! Não vou estar com ilusões, que quero ser um êxito a nível mundial, não é?
— Estás a conseguir equilibrar as tuas prioridades? Estudos, família e música?
— Estou a conseguir conciliar. É claro que, às vezes, é um pouco difícil, com a responsabilidade do curso de enfermagem, e com o conservatório, e ainda pôr algumas composições pelo meio, mas penso que tenho conseguido gerir bem as coisas, e sinto-me bem a fazer ambas as coisas: a enfermagem e a música.

— Sabes que nós, açorianos, temos uma certa tendência para as artes…. Há uma grande fatia de gente que se dedica a todo o tipo de artes. O que achas que o açoriano tem que os outros não têm para seguir por essas áreas?
— Se calhar esta vida em arquipélago…. E notei muita diferença quando vim aqui para São Miguel, porque lá no Pico temos muito mais proximidade com as outras ilhas. Acho que a nossa ideia de arquipélago no grupo central é diferente da ideia de arquipélago aqui em São Miguel.
— Achas que aqui, apesar de ser uma ilha maior, existe uma distância maior entre as pessoas?
— Parece-me que sim, mas não quero fazer juízos de valor….
— Mas já te sentes em casa?
— Sinto-me. E quando me perguntam de onde sou…. quando digo que sou do Pico, apetece-me dizer que já sou metade micaelense (risos). Sinto-me muito bem aqui, em São Miguel.
— Continuando nos teus objectivos: não ponderas a hipótese de pôr um pé fora dos Açores? Nem que seja para promover o teu trabalho ou para algum tipo de formação mais específica….
— Por acaso, tenho pensado nisso ultimamente, porque aqui em Portugal, ou se é muito bom para se vingar no mundo da música, ou se tem muita sorte. É claro que tenho noção de que, se for para outro meio, vai ser muito mais agressivo e a exigência vai ser maior. Vou ver com o tempo o que se vai fazer. Por enquanto vou ficar cá.
— Um passo de cada vez.
— Exactamente.
— Muito bem. Muito boa sorte, Bárbara!
— Obrigada!

A ilha do Pico já nos presenteou com muitas obras de arte, mas esta é especial. Bárbara Azevedo está a marcar um novo fôlego nesta geração de ouro da música açoriana e portuguesa; não apenas pelo dom natural que a sua voz tem, mas também pelo percurso invejável conseguido até agora, tanto em termos de formação, como de reconhecimento obtido. Bárbara controla a respiração muito bem, de forma natural, e tem um vibrato bem dominado e mavioso! No tema cujo vídeo está acima, Old Picture, a ligação com os metais parece ser um dos caminhos a seguir. Vejo também alguns apontamentos do estilo da Broadway interpretados por ela, mas tudo dependerá de onde melhor ela se sentir.

Apesar do seu percurso, Bárbara Azevedo ainda tem alguns obstáculos a ultrapassar. A sua juventude retira-lhe um pouco de mérito — embora eu discorde, é assim na nossa sociedade —, mas esta compositora e excelente intérprete precisa de obter reconhecimento e de se afirmar, mais ainda! Seria também muito interessante para a artista uma experiência fora destes nove ilhéus: vejo-a numa jornada de um mês em Londres, Sydney, ou mesmo Nova Iorque (quem sabe com umas dicas da nossa associada Melissa Cross?). Não devemos ter medo de explorar os mares nunca dantes navegados, até porque, no caso de Bárbara Azevedo, ela conhece bem o seu porto seguro!

E não há dúvida que esta voz ficou-me mesmo…. no Pavilhão Auricular!

in Jornal Terra Nostra, 10 de Agosto de 2012